Basenji

Basenji

Características da raça

O Basenji é uma raça com características bastante peculiares e ainda pouco conhecida no Brasil. Os cães da raça não latem, porém emitem ruídos como pequenos uivos. As fêmeas desta raça só entram no cio uma vez por ano, e os filhotes devem ser educados e treinados, caso contrário podem se tornar destrutivos. Devem ser exercitados diariamente.

Além disso, o Basenji tem o costume de lamber o corpo, como fazem os gatos — o que faz com que seja uma raça de fácil manutenção. Inteligente e ativo, ele é brincalhão e apegado ao dono.

Histórico

O Basenji está entre as mais primitivas raças do mundo. Originário da África Central, também era conhecido como o Terrier do Congo, sendo utilizado na caça.
Exploradores europeus conheceram a raça no Congo e no Sudão no século XIX. Os primeiros Basenjis chegaram à Inglaterra em 1895, mas morreram de cinomose.
Somente na primeira metade do século XX conseguiu-se com sucesso começar a criação da raça fora da África.

Perfil Clínico

O Basenji está propenso a apresentar as seguintes doenças:
Síndrome de Fanconi
Patologia que compromete o funcionamento dos rins.

Atrofia progressiva da retina
Perda gradativa da visão, que acontece a partir dos primeiros seis meses de idade e para a qual não existe tratamento. Caracterizada pela degeneração progressiva da retina, pode levar à cegueira.

Enteropatia do Basenji
Doença característica da raça que acomete o trato gastro-intestinal.

Resumo das características

Nacionalidade: Zâmbia
Porte: Pequeno
Temperamento: Dominante
Treinabilidade: Teimoso
Grau de Proteção: Moderado
Espaço Necessário: Médio
Altura Mín. – Max.: 40.6cm – 43.2cm
Peso Mínimo: 10 kg
Peso Máximo: 11 kg
Nível de Energia: Médio
Exercícios Diários: 35 minutos
Cor: Bicolor e tricolor
Tipo de Pêlo: Curto
Troca de Pêlo: Frequente
Tosa: Não